23 de dezembro de 2015

Sobre FEBRE nas crianças


Nós, pais de primeira viagem, sempre entramos em pânico quando detectamos algum nível de febre em nossos pequenos.
Mas depois de algum tempo a gente vai aprendendo alguns "macetes" para lidar com ela - a febre - e entendemos que nem é uma manifestação tão ruim assim.
Na verdade, a febre não é uma doença, mas um sintoma. É uma reação do organismo contra alguma anomalia. Ela ajuda o sistema de defesa a livrar-se do agente agressor.
Precisamos prestar atenção ao que vem com ela, pois alguns sintomas são sinais de alerta e necessitam de atendimento médico de emergência. Se depois da febre a criança estiver disposta, está tudo bem, mas se ela durar mais de três dias é preciso investigar.
Por isso é muito comum hoje em dia que os pediatras recomendem que a criança fique em observação, em casa, durante essas 72 horas.
Depois que o Pietro passou a frequentar a creche, o organismo dele foi desenvolvendo esse sistema de defesa e a imunidade sofreu alterações, o que é muito comum no desenvolvimento da criança.
Por outro lado, algumas famílias não gostam de voltar para casa sem receita de remédios, e muitas vezes o pediatra de plantão no pronto-socorro acaba receitando algum antibiótico.
Como eu detesto medicar meu filho sem real necessidade (principalmente com antibióticos que são fortíssimos), reuni algumas dicas para ajudar outras famílias que estejam passando pela febre. E tenham certeza de que é muito comum que as crianças tenham febre, justamente pelo que citei anteriormente envolvendo o desenvolvimento da imunidade.

Quando a febre deve preocupar: 
1. A criança tem menos de 3 meses de idade 
2. A temperatura corporal é maior do que 40ºC 
3. A criança está queixosa ou com choro inconsolável 
4. A criança chora ao ser tocada ou mobilizada 
5. Há dificuldade em acordá-la 
6. A criança apresenta rigidez de nuca 
7. Há petéquias ou manchas purpúricas na pele 
8. Dificuldade respiratória, mesmo após desobstruir as narinas 
9. A criança não consegue engolir nada 
10. Ocorreu uma crise convulsiva 
11. A criança parece muito doente 
12. A criança vomita sem parar 

O que eu costumo fazer:
Dou remédio só acima dos 37,5. Dosagem de acordo com o peso da criança.
Antes disso, vou dando banho morno.
Quando a febre estiver subindo, pode agasalhar a criança que está com frio.
Quando a febre estiver baixando e a criança começar a suar, pode tirar o agasalho e dar um banho morno. O banho frio pode fazer mais mal ainda porque é muito desconfortável para a criança com febre.
Lembrando que cada caso é diferente, e essa é minha experiência pessoal baseada nesses anos com o Pietro. Cada criança tem seu histórico pessoal que deve ser levado em conta em primeiro lugar.

Sobre convulsão febril
A convulsão febril é causada por uma predisposição genética, independente da febre estar relativamente baixa ou alta. Deve-se esperar a convulsão passar e ir ao pronto-socorro.
A criança que tem tendência a ter convulsão febril pode ser medicada antes dos 37,5.

Dente nascendo dá febre?
Na verdade, não é a erupção da gengiva causada pelo nascimento de um dente novo que pode causar febre. É que a imunidade baixa durante esse processo de dentição, e com isso pode ocorrer o aparecimento da febre, mas que normalmente é baixa.


  • Referências: O livro da maternagem da Dra Relva, experiências pessoais e orientações dos pediatras que atenderam o Pietro até hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget