23 de julho de 2014

Ser mãe, ser você.

Algumas pessoas têm uma idéia fantasiosa de que depois que a mulher se torna mãe, ela se torna uma pessoa completamente diferente do que era antes.
Essa imagem "romantizada" (nem sei se esse termo existe) de mulheres que se anulam, deixam seus desejos e sonhos de lado para se dedicarem exclusivamente aos filhos é irreal e extremamente machista se formos parar para pensar. Sabe por quê?
Primeiro, porque mães são seres humanos.Já existiam bem antes de serem mães, assim como os pais.
Têm desejos, anseios, planos, direito de serem livres para escolherem como querem seguir suas vidas.
Segundo, porque:
José Saramago, escritor.
E por último - não menos importante - quando nos tornamos mães/pais, adicionamos uma experiência grandiosa às nossas vidas. Algo que é somado ao que já somos, e sim, na maioria das vezes modifica.
Mas não anula.

17 de julho de 2014

Manual de Nutrologia para bebês e crianças, da SBP

Manual de Orientação . 3ª Edição Revisada a Ampliada (Departamento de Nutrologia da SBP, 2012). Alimentação do lactente ao adolescente, na escola, e capítulos sobre “Alimentação saudável e vínculo mãe-filho”, “Alimentação saudável e prevenção de doenças”, e “Segurança alimentar”.
Inclui cardápios de papas para o lactente e as porções alimentares que devem ser consumidas, de acordo com a pirâmide alimentar. 
Para baixar de graça, é só clicar no link:

 

14 de julho de 2014

Adeus à cabeleira.

O Pietro vinha deixando o cabelo crescer, porque queria ficar igual ao pai - palavras dele.
Como sempre procuro deixá-lo livre pra escolher sobre sua aparência, o cabelo foi crescendo.
Só que últimamente ele se mostrava incomodado quando as pessoas o confundiam com menina.
Não foi uma nem duas vezes, mas várias vezes em que o chamaram de menina por causa do cabelo comprido.
Pietro sempre se vestiu com bermudão, camiseta, e a cor favorita dele é o azul. O cabelo comprido era pra ficar como o do pai.
Por quê então aquilo começou a incomodá-lo?
Algumas vezes, voltando da escola, ele comentou comigo: "Mamãe, fulano falou que meu cabelo é de menina..."
Imagem: Blog Cientista que virou mãe
A gente sempre conversando com ele, explicando que criança é criança, perguntando se ele queria cortar, mas ele não queria.
Até que ontem, fomos ao cabeleireiro e ele pediu pra cortar bem curto.
O Pietro é muito novinho, nem fez 5 anos ainda. Tem todo o tempo do mundo pra deixar o cabelo como quiser.
Mas eu confesso que estou revoltada pelo modo ATRASADO E PRECONCEITUOSO que alguns pais criam seus filhos.

Cor-de-rosa pra menina x azul pra menino
Cabelo comprido pra menina  x curto pra menino
Brinquedo de menina x brinquedo de menino

 E assim, vamos separando, segregando e mantendo todo um histórico de machismo, violência e opressão.
Hoje, estou aqui no blog mandando um recado pra você que é pai/ mãe e ensina esse tipo de coisa pros seus filhos:
Quero que você se exploda!!!
O mundo de hoje não comporta mais gente atrasada. Deixem as crianças serem crianças! E só.

7 de julho de 2014

Pediatras "dinossauros" e a atualização dos profissionais de saúde.

Hoje em dia todo mundo sabe que um bom profissional - em qualquer área - deve se mater atualizado. É até uma questão de sobrevivência no mercado de trabalho.
Porém, em relação auma parte dos profissionais de saúde que já estão no mercado há vários anos, isso não é (deveria ser, mas não é ) uma preocupação.

Por quê estou dizendo isso?
Vou explicar. E não preciso ir tão longe assim pra dar exemplos, não.

Veja bem: antes mesmo de me conhecer por gente, vou ao  pediatra.
Naquela época, início dos anos 80, minha mãe conta que eu, bebezinha, chorava bastante (e que bebê não chora, não é mesmo?).
Meu pediatra - o profissional de saúde em que meus pais confiavam plenamente e idolatravam como "o cara", arrumou uma solução bem bacaninha pra acalmar meu choro. E meus pais contam isso até hoje com a maior naturalidade, dando vários créditos ao cara.
A recomendação do meu pediatra foi me dar chá. Eu era um bebê de quatro meses que passou a tomar chá porque "chorava de fome, já que o leite da minha mãe não era suficiente"...
Olha, até dá pra entender que nos anos OITENTA ninguém tinha acesso a internet, às informações atualizadas, e tal. Mesmo porque, só depois é que os estudos científicos sobre bebês e crianças foram atualizados. Antes disso era tudo no olhômetro (pasmem!).
Até o início da década de 80, as orientações dos pediatras aos pais eram feitas, sobretudo, por meio da observação pura e simples do comportamento infantil.
As recomendações atuais são mais precisas porque são baseadas em informações comprovadas cientificamente.
Leia mais aqui
Então, naquela época, a informação chegava aos pais através dos profissionais de saúde. Só que hoje em dia, em pleno século 21, as informações estão mais atualizadas e podem ser acessadas por práticamente qualquer pessoa.
E adivinha só: a recomendação do meu pediatra não vale mais. Aliás, explica muita coisa que só vem a aparecer no organismo da pessoa depois de vários anos, como alergias por exemplo.
A orientação do Ministério da saúde é aleitamento materno exclusivo até 6 meses. Não precisa dar água, sucos, chás nem nada além de Leite Materno. O leite materno tem tudo que o bebê precisa. Caderneta 23. SAÚDE DA CRIANÇA: Nutrição Infantil Aleitamento Materno e Alimentação Complementar. Publicação do Ministério da saúde
O círculo vicioso detonador de amamentação: mamadeira ou chuquinha > confusão de bicos > desmame.

E quanto ao choro insistente, no meu caso? Poderia tanto ser ligado a uma Crise dos 3 meses quanto a qualquer outro desconforto ou necessidade de comunicação, mesmo. O choro do bebê pode ter diversos significados em diversas culturas. Esse texto aqui é bem interessante.
A questão é que tenho presenciado muitos profissionais de saúde mantendo os mesmos conceitos antigos e ultrapassados ainda nos dias de hoje. Tenho certeza de que se eu tivesse levado meu filho nesse mesmo pediatra que me atendeu desde bebezinha, ele aplicaria as mesmas recomendações em relação a amamentação da minha mãe.
Já contei aqui que o primeiro pediatra em que levei o Pietro, era amigo há anos do meu avô, e que ele recomendou na primeira consulta que eu deixasse o Pietro chorando (recém-nascido) no berço e só o pegasse de 3 em 3 horas pra amamentar (?!!!). Apesar dessa recomendação dele, eu SENTI no meu coração que aquilo era cruel demais pra fazer com meu filho tão novinho... Fui embora e nunca mais voltei lá. O cara é famosinho até, tem muitos pacientes e atua na profissão há anos, mas fui embora e nunca mais voltei lá.
Para nós foi muito difícil encontrar um pediatra mais atualizado e comprometido com a profissão nesse sentido. Levamos o Pietro em mais ou menos uns 5 profissionais até eu encontrar um que me passasse mais confiança.
E a conclusão é que por mais que sejam bons profissionais no diagnóstico e tratamento de doenças, nem todos trabalham com a prevenção, e no apoio REALMENTE ao aleitamento materno. Nem todos estão dispostos a se atualizarem.
Portanto, a dica é seguir o instinto. Existem coisas que não são aprendidas com pediatras. Isso é o que chamam de instinto materno - voilá!
Além disso ainda existem os grupos de ajuda às mães, porque afinal de contas no começo é totalmente normal a gente se sentir insegura e confiar plenamente nas pessoas que trabalham com isso.
Dá pra entender, mas com o tempo a ficha vai caindo e a gente vai se informando ao ponto de enxergar certas coisas que passavam despercebidas, não é mesmo? ;)
Lembre-se disso quando o(a) pediatra te disser que seu leite materno é fraquinho e não sustenta...


6 razões para esperar 6 meses para introduzir sólidos

  • Traduzido por Andréia Mortesen do artigo do Dr. Sears: 6 reasons to delay introducing solid food
    http://www.askdrsears.com/topics/feeding-infants-toddlers/starting-solids/6-reasons-delay-introducing-solid-food

    Fonte: GVA

     

    1. O intestino do bebê precisa estar desenvolvido
    Os intestinos são a parte do corpo que filtra, peneirando as substâncias potencialmente perigosas e permitindo os nutrientes saudaveis. Nos primeiros meses, esse sistema de filtracao é imaturo. Entre 4-6 meses o revestimento interno do intestino do bebê passa por um processo de desenvolvimento chamado fechamento, onde o revestimento se torna mais seletivo sobre o que pode ou não passar. Para prevenir que comidas potencialmente alergênicas entrem na corrente sanguinea, os intestinos maturando secretam IgA , uma proteína imunoglobulina que age como uma proteção, recobrindo os intestinos e prevenindo a passagem de alérgenos perigosos. Nos primeiros meses, a produção de IgA é baixo (embora haja muito IgA no leite materno), e é mais fácil assim para que potenciais alergenos entrem no organismo do bebê. Uma vez que moléculas de comidas entram no sangue, o sistema imune pode produzir anticorpos contra aquela comida, produzindo uma alergia ao alimento. Por volta de 6-7 meses de idade, os intestinos do bebê estao maduros e capazes de filtrar os alergenos mais ofensivos. Por isso que é tão importante esperar a introducao de alimentos sólidos particularmente se existe uma historia de alergia alimentar na familia do bebê, o que demonstra uma tendência do bebê desenvolver alergias também, e prestar muita atenção quando oferecer os alimentos aos quais outros membros da familia sao alérgicos.


    2. Bebês jovens tem reflexo de propulsão da língua
    Nos primeiros 4 meses, a língua tem um reflexo de propulsão para proteger os bebês contra engasgo.
    Quando qualquer substância incomum é colocada na língua, automaticamente empurra para fora e não para dentro. Entre 4-6 meses de idade esse reflexo diminue gradualmente, dando ao primeiro cereal ou fruta uma chance de entrar no estômago e não ser rejeitado pelo reflexo da língua. Não somente essa parte inicial do trato digestivo (língua, boca) não está pronta para sólidos, como também a parte final (estômago e intestinos) tambem não estão "prontos".


    3. O mecanismo de engolir do bebê é imaturo
    Outra razão para não ter pressa na introdução de alimentos sólidos é que a língua e o mecanismo de engolir podem não estar prontos para funcionar juntos.
    Dê uma colher de papinha a um bebê com menos de 4 meses, e ele vai mover essa comida ao acaso em sua boca, empurrando um pouco da papinha de volta a faringe onde é engolida, um pouco vai para espaços grandes entre as bochechas e gengivas, um pouco vai pra frente entre lábios e fora para o queixo. Ou seja, o bebê não tem um bom controle da mastigação e a direção para engolir, o que vai ser desenvolvido entre 4-5 meses de idade. Nessa fase o bebê desenvolve a habilidade de mover a comida do começo da boca para o fundo ao invés de deixar a comida flutuar em todo lugar e cuspir boa parte disso. Antes dos 4 meses de idade, o mecanismos de engolir do bebe é feito para trabalhar com sugar, mas não mastigar.


    4. Bebês precisam ser capazes de sentar
    Nos primeiros meses, os bebês associam comida com carinho. Alimentar-se é uma interação intima, e bebês frequentemente associam o ritual de comer com pegar no sono nos braços ou no peito da mae. A mudança de um peito suave e morno para uma colher fria e dura, pode não ser benvinda com uma boca aberta. Dar papinhas ao bebe é uma maneira mais mecânica e menos íntima de "entregar" comida. Requere que o bebê se sente num cadeirão de comer, uma habilidade que a maioria dos bebês desenvolvem por volta de 5-7 meses. Segurar um bebê na posição tradicional de mamar nao é a melhor maneira de introduzir papinhas, porque seu bebê vai achar que vai ser amamentado (ou tomar mamadeira) e vai achar que algo esta errado e vai provavelmente rejeitar a comida.


    5. Bebês novos não são capazes de mastigar

    Dentes raramente aparecem antes de 6-7 meses, outra evidência forte de que os bebês muito novinhos são designados para sugar e não mastigar. Nos estágios pré-dentes, entre 4-6 meses, bebês tendem a babar, e a saliva que ele baba é rica em enzimas, que ajudarão a digerir as comidas sólidas que virão em breve.


    6. Bebês com mais de 6 meses gostam de imitar pais ou quem cuida deles.
    Por volta dos 6 meses de idade, bebês gostam de imitar o que veem. Eles veem você comer um legume e desfrutar disso. Eles querem pegar um garfo e fazer o mesmo.
     
    Pietro :-)

Ocorreu um erro neste gadget