2 de outubro de 2015

Primeira consulta de pré-natal

Nessa gravidez estou tendo vários "sintomas" que não tive na gravidez do Pietro. E apesar de um médico grosseiro ter dito que é porque estou velha (se 30 anos é velha, já não sei de mais nada), o fato é que SIM, cada gestação é diferente, mesmo que seja da mesma mãe com o mesmo pai.
Estou grávida de 10 semanas e alguns dias, de acordo com o ultrassom que deu diferença com a data da última menstruação (mas isso é bem comum) e já vomitei bem mais vezes do que na gravidez inteira do Pietro rs.
Desde o último final de semana estava sentindo umas dores muito fortes no baixo-ventre, principalmente do lado direito. E como não senti nada parecido na primeira gravidez, comecei a ficar encanada.
Ignorei o fato de ter ficado horas a fio sentada, trabalhando e estudando para a prova de certificação do trabalho (que por sinal passei lindamente com um 9!) e só conseguia pensar que alguma coisa de ruim estava acontecendo. Afinal de contas, basta consultar o Dr. Google para achar que está morrendo!
Além disso, sempre tem uma galera que curte te deixar ainda mais preocupada sem nem ter o trabalho de entender o que realmente está acontecendo.
Corri para o pronto-socorro, fiz um ultrassom e estava tudo certo - o bebê está bem, ufa!
Mas já vi que isso vai ser uma constante nessa gestação (os palpites trevosos), ainda mais quando souberem que planejo um parto natural.
Quero muito passar pela experiência de um VBAC (Vaginal Birth After c-section / Parto vaginal após cesária) e eu sei que é possível. Para isso estou procurando me informar o máximo que puder lendo livros, participando de grupos online... Até já tenho uma doula (que além disso é minha amiga querida).
Tenho alguns meses ainda pela frente para me preparar física e mentalmente para isso, então é o que vou fazer. Além de desenvolver uma cara de alface nível master para os pitacos alheios né.
Ontem fui à primeira consulta de pré-natal com uma obstetra indicada pela minha doula, que é bem conhecida no campo da humanização da assistência ao parto, e gostei muito!
Ela me explicou sobre as dores, que estão relacionadas ao aumento de tamanho do meu útero e que é algo completamente normal.
Não estou me sentindo "abandonada" como estava antes. A médica que eu estava me consultando não tinha me passado o número de celular para eventuais emergências, e só tinha conseguido consulta mais de um mês depois. Assim não dava.
Agora vou fazendo o acompanhamento médico, me concentrando em informação de qualidade e no apoio das pessoas que realmente se preocupam comigo.
Mas acredite: quando te disserem que cada gestação é diferente uma da outra, é verdade ;-)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget